10 de mar de 2006

Poesia do instante... fotos de Vinícius Mania

Recebemos, do Vini Mania de Cuiabá, um presentão: as fotos do show na Hell City... o cara é um puta artista. Fotógrafo rocker de mão cheia. Bom, vamos ao que interessa, são mais de sessenta fotos, aí estão algumas delas acompanhadas da letra da última música dos porongas (ainda sem nome). Saudações poéticas e musicais.


A razão espaço/tempo é sempre tão desencontrada
todo início quase um fim
tanto sempre e sempre acaba
A razão espaço/tempo é mesmo tão desconcertada
o campo aberto uma prisão
quando finda
tudo que não me interessa agora
eu jogo fora
tudo que não me interessa agora
eu jogo fora
e se vai como o sol
e se vai como o sol
como o sol
que se esconde ou se espalha
como o sol
que aquece ou atrapalha
como o sol
que derrete ou agasalha
como o sol

... Cuiabá, doce inferno de quase trezentos anos... ela nos recebeu...

... com um sorriso quente nos dentes, na paciência de bárbaras, jakie, lenissa e talita...

cuiabá que é grande que só... que é várzea grande junto


cuiabá que foi casa de 30 bandas
toda discussão
foda discussão
moda discussão
roda discussão

política, ítica, tica, ica, ca, a


rock
xadrez gudi tripi
"Os trajes... do rock se ajustam ao cerrado em plena consonância reverberativa com os acontecimentos psicosociais paradigmados na essência da redescobertas da música brasileira do século XXI ]

Vai ser gauche na vida...
e até hoje não sei o que é gauche

caíamos

esperando o café da manhã no hotel...
o hotel abudi

de onde jack nicholson jamais saiu

mas a vanguart, que tem o justin hoffman em seu casting, se fez presente no oscar do quarto 312
O ESCUDO
boa noite
TUDO AO CONTRÁRIO

VANGUART - Esqueci a câmera - Skate Park - Benécias porcas e capitalistas e deliciosas do mcdonalds - PORCAS BORBOLETAS - rio branco - brasília - goiânia - congonhas - teodoro sampaio - cuiaba - LUDOVIC - auditório da unic -MACACO BONG - cufa - espaço cubo - estrada - toca - estrada - CAMUNDOGS - esquece a bolsa. elevador. ponto continuando
tudo acima do chão tudo por causa da música tudo à vontade tudo haver tudo ao contrário tudo por um prazer tudo por um riff do joão tudo pela levada do magrão no final de tudo ao contrário. tudo ao contrário mesmo tudo tudo por nada. nada é o barulho que o anzol faz no segundo seguinte à primeira lapada na caixa em tudo ao contrário. tudo, tudo, nada, nada, nada... nada além do que satisfaz




o nada é o barulho que o silêncio faz quando fala baixinho...






lúdica maledicência...



um dia desses
desses dias, um
dias... um desses

à cuiabá
nada de obrigado
é voluntário
tudo de volta o que a cidade e as pessoas suas nos deram

sempre as tradicionais saudações.
amazônicass
poéticassss
musicaisssss
forassssss dosssssss eixossssssss

e me pergunto com quantos ésses vai se fazer o plural desse nosso sonho de música.

3 comentários:

bárbara disse...

!

perfeito.
e ainda mais com passagens carregadas da poética análise de indumentária.

bárbara disse...

adiciona o link do blog espaço cubo aí!
rs.

Márcio disse...

Atendido!